Briga de irmãos

As desavenças são inevitáveis, principalmente na fase infantil.

images

FERNANDA TEIXEIRA

Famílias com dois ou mais filhos sabem que nem tudo são flores. Crianças com diferença de idade pequena exigem desenvoltura, sabedoria e muita paciência dos pais para lidar com as brigas entre irmãos.

Matheus (5) e Letícia (2) se amam. Eles se completam quando estão juntos. Mas também têm dias estilo “cão e gato”, em que os ânimos acirram, as diferenças vêm à tona e o embate é inevitável.

Eles sempre brincam juntos. Mesmo sendo a mascote da turma, Letícia parece ignorar sua idade e participa de todas as brincadeiras com os primos e amigos mais velhos de igual para igual.

Em casa, no entanto, o clima amistoso entre Matheus e Letícia vira um campo de batalha. A velha disputa por espaço, posse de brinquedos, atenção dos pais, fala mais alto. As risadas cessam e a choradeira começa.

Ultimamente está difícil acalmar as desavenças. Um reclama do outro, faz acusações, mas… no instante seguinte estão juntos mais uma vez. Depois, brigam de novo e assim vai até o final do dia. Uma queda de braço sem fim. Ele exercendo o papel do mais velho, impondo suas vontades, e ela, a de caçula, com manhas e manias. Haja paciência.

Quem nunca se sentiu perdido no meio desse fogo cruzado? A gente aparta, aconselha, briga, coloca de castigo, mas os conflitos entre irmãos são normais e fazem parte do processo de crescimento e amadurecimento do ser humano. Não dá para banir, as brigas sempre vão existir porque ninguém é igual ao outro. Cada um com suas vontades e opiniões. Aos pais, resta pulso forte para selar a paz dentro de casa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estreia de filme e espaços infantis que prometem garantir a diversão de toda a família

SHOPPING VIA NORTE

 Estreia do filme “A bailarina”

345717-jpg-c_300_300_x-f_jpg-q_x-xxyxx

O filme estreou na quinta-feira (26) nas salas do Cine Araújo do shopping Manaus ViaNorte – Avenida Arquiteto José Henrique Rodrigues, 3.760, Nova Cidade, Zona Norte. O filme “A Bailarina” (título original franco-canadense “ Ballerina”, dos diretores Eric Summer e Éric Warin, distribuidora Paris Filme, duração 89min, censura livre) é uma animação francesa que conta à história de Félicie Milliner, uma menina órfã que vive uma série de aventuras para realizar o sonho de se tornar bailarina do Opera de Paris, no século 19. Com essa ideia fixa na cabeça, a garota sonhadora toma uma atitude radical. Foge de casa e, com a ajuda de um amiguinho também sonhador (quer se tornar um grande inventor), decide se passar por outra pessoa até conseguir a sonhada vaga no Grand Opera.

Para capturar toda elegância do ballet clássico, a produção do filme – os mesmos produtores de intocáveis (2011) – contou com a participação de Aurélie Dupont e Jérémie Bélingard, grandes bailarinos do Ópera de Paris, nas sequências de coreografias do filme. A dublagem em português é da atriz mirim Mel Maia e a americana em inglês de Elle Fanning (Malévola).

 

Outras opções de lazer Leia o resto deste post

Planejando as atividades extracurriculares do ano

images-2

Por karlla Marinho

Balé, Kumon, música, inglês, natação…, não faltam opções para preencher o tempo em que as crianças não estão na escola. As atividades extracurriculares são a forma de elas aprenderem outros conteúdos, que não fazem parte das disciplinas ensinadas na sala de aula e de quebra ainda ocupam o tempo delas nos períodos em que os pais estão trabalhando.

Na medida certa, essas atividades são positivas e trazem uma série de benefícios, mas o exagero pode causar o efeito contrário e prejudicar o desenvolvimento da criança.

Lembro que na minha infância, eu gostava de desfrutar de um tempo em casa quando chegava da aula, mesmo sem ter o que fazer. O período em que fiquei sobrecarregada com a escola, equipe de natação e inglês foi bem estressante. Muito cansaço e mal humor.

Existe um limite ideal?

A enquete publicada no site da Crescer, mostra que  37% dos pais  planejavam colocar os filhos para fazer atividades extracurriculares duas vezes por semana; 20% responderam que matriculariam as crianças em cursos três vezes por semana; 18% disseram que optaram por quatro vezes na semana e 12%, uma vez por semana. Há famílias que deixam as crianças praticarem outras atividades todos os dias da semana: um total de 8% dos que responderam à pesquisa. Somente 4% dos pais disseram que os filhos não fariam cursos além da escola.

Eu acredito que respeitando a faixa etária, atividades extracurriculares três vezes na semana é o ideal. Até porque muitas das atividades geram tarefas extras para casa, o que ocupa o restante do tempo livre das crianças. A sobrecarga também prejudica os pais que precisam acompanhar de perto cada atividade, além de levar os filhos para cada compromisso.

O importante mesmo é ficar atento ao comportamento da criança e como ela responde aos estímulos. Irritabilidade, cansaço, distúrbios do sono são alguns dos sintomas apresentados quando a criança estiver ultrapassando seus limites.

Outro ponto que estou atenta para colocar em prática com as meninas é a escolha da atividade que precisa ser do interesse delas. Eu como mãe tenho minhas preferências, mas acho importante somar com a escolha da criança no tipo de esporte ou curso que ela optar fazer.

Esse ano a minha meta, com base na escolha delas, é colocar as meninas  na aula de inglês e balé. E você, já conversou com seus filhos, já começou a se planejar? Compartilha sua experiência com a gente também.

Um beijo e até a próxima.

 

Programação pra todos os gostos e bolsos

Só digo uma coisa: tem programação até para os pais. Se eu fosse você, não perdia nada.

Pista de patins, Patrulha Canina, brincadeiras de quintal e Bita estão na programação. Tem pra todos os gostos e bolsos. Vai faltar é tempo. Nada que um pouquinho de organização não resolva. Bom passeio!!

unnamed (1).png

Roller 66 e Patrulha Canina são as atrações das férias no Shopping Ponta Negra

O Shopping Ponta Negra preparou uma programação para as férias que promete atrair a todas as idades. Desde o dia 17, os pequenos que visitarem o centro de compras poderão se divertir no circuito interativo de brincadeiras com os cãezinhos mais fofos da Nickelodeon, em um evento inédito na capital amazonense, a Arena Patrulha Canina. O Roller 66 também chegou para trazer a nostalgia dos anos 80.

Até o dia 15 de fevereiro, as crianças com idade de 4 a 12 anos poderão participar da Arena Patrulha Canina passando por um circuito de missões a serem cumpridas como visitar a torre do quartel general, ajudar os cães Zuma e Rocky a separar o lixo corretamente, apagar incêndio do prédio com o Marshall, ajudar o Rublle a consertar seu carrinho e muitas outras atividades. A atração é gratuita e estará disponível todos os dias das 14h às 21h, no hall de entrada do Shopping Ponta Negra, localizado no primeiro piso (L1).

Patins estilo “Roller 80”, os famosos patins com botinhas acopladas e dois pares de rodas, alinhados no eixo e com freio, prometem resgatar a alegria de adultos e crianças, com idade a partir de 4 anos, em uma pista ampla e segura, com piso emborrachado e proteções laterais na praça de eventos do Shopping Ponta Negra, localizada no primeiro piso (L1). A atração terá cobrança de bilheteria de R$15, por 15 minutos, e ficará disponível até o dia 12 de março.


Centro Cultural Usina Chaminé abre programação de férias para o público

Dentre as atividades que serão realizadas nesse período da Colônia de Férias estão a exibição de filmes, apresentação de teatro de fantoches, muitas brincadeiras tradicionais e atividades que incentivam a leitura, além da já tradicional “Oficina de Reciclagem”, que promove a criação de brinquedos feitos a partir de material reciclável.

Com a programação de férias, a Usina Chaminé estará de portas até dia 27 de janeiro, para receber a criançada com uma programação cultural animada, que conta com brincadeiras, oficinas de reciclagem e visita a exposições, sempre de segunda-feira a sexta-feira, das 9h às 14h, e no sábado, de 9h às 13h, com entrada gratuita.

Mais informações:   (http://www.cultura.am.gov.br/secretaria-de-cultura-prepara-programacao-infantil-para-as-ferias/)

Leia o resto deste post

A hora do desfralde

Preste atenção nos sinais. O seu filho vai mostrar o momento que estará preparado para deixar a fralda. Com calma e paciência, o desfralde acontece.

3712436_orig-1

FERNANDA TEIXEIRA

O desfralde é um assunto que desperta a atenção dos pais e divide opiniões. As perguntas mais comuns são: “Quando devo tirar a fralda do meu filho” e “Existe uma idade para desfraldar”.

Quando ingressei no blog, minha filha Letícia tinha apenas sete meses. Hoje, aos dois anos, a mascote do grupo já dá sinais de que está prestes a se despedir das fraldas.

Letícia vai começar a estudar nas próximas semanas. Portanto, não ficará sob meus cuidados uma parte do dia e precisará da ajuda das professoras e auxiliares da escola. Isso é o suficiente para deixar qualquer pai/mãe preocupado com a higiene da criança.

Desde o ano passado, passei a conversar muito com minha pequena e mostrar que o banheiro é o local para fazermos nossas necessidades. Por volta de um ano e meio, Letícia começou a dizer que havia feito algo. Muitas vezes trocava entre xixi e cocô. À medida que ia conhecendo a diferença entre um e outro, nossas “conversas” ficavam mais afinadas.

No último domingo (08/01), para minha surpresa, ela chegou perto de mim e disse que queria fazer cocô. Corremos para o banheiro e ao tirar a fralda vi que ela já tinha feito um pouco. Mesmo assim, ela disse que queria fazer mais. Eu a coloquei no vaso e… ela conseguiu!!!

Eu senti uma alegria imensa, quase chorei (sim, eu choro por tudo!). No final, ela ainda disse: “tchau, cocô”. Eu a abracei, beijei e comemoramos juntas. Ela ficou muito feliz e logo contou a novidade para o pai e a vovó.

Não utilizei nenhuma brincadeira ou qualquer tipo de jogo com recompensa. Apenas conversa, olho a olho. É um trabalho de formiguinha, de repetição contínua até compreenderem a nossa mensagem. Funcionou com meu primeiro filho Matheus e está se repetindo com ela agora.

O importante é não forçar, deixar acontecer naturalmente, observar os sinais e, principalmente, respeitar o tempo de cada criança. Com calma e paciência, o desfralde acontece.